BRASIL Caio Fábio diz que Doria ‘beijou a Covid’ ao decretar igrejas como atividade essencial

Adriano Oliveira 05/04/2021 Relatar Quero comentar

A decisão do governador João Doria (PSDB) em decretar cultos como atividade essencial na pandemia, garantindo o funcionamento das igrejas, está sendo bombardeada pelos defensores do . O Ministério Público pediu que o governo recuasse da decisão, e agora o teólogo Caio Fábio também criticou a medida.

Doria, no começo da pandemia, demonstrava ser contra a realização de cultos presenciais. Agora, um ano depois, ao avaliar o cenário político para as eleições presidenciais de 2022, decidiu  parcela da população que foi decisiva no resultado do pleito de 2018, e decretou que as igrejas são parte dos serviços essenciais.

A reação do Ministério Público paulista foi imediata: convocou reunião e pediu que o governo  para cultos presenciais, e foi além: também solicitou que os campeonatos de futebol sejam interrompidos no estado, mesmo com os índices de contaminação entre jogadores e demais funcionários dos clubes seja ínfimo.

Nesse contexto, Caio Fábio teceu críticas a Doria e afirmou que considera irresponsável a decisão de permitir cultos: “Tem muita gente começando a ficar mais quieta. Querer congregar nessa hora é fazer sociedade com a morte, beijar a Covid, namorar com aquilo que é fúnebre”, declarou o ex-pastor presbiteriano em entrevista ao programa , da .

Comentário do usuário